“Estímulo à modernização”

“Estímulo à modernização”

A opinião do nosso CEO Marcos Santiago sobre o panorama da modernização portuária em reportagem da revista Portos e Navios:

“A NavalPort também destaca que a maior parte dos investimentos em tecnologia foi realizada pela iniciativa privada, sobretudo, pelos terminais de contêineres. O CEO da empresa, Marcos Santiago, lembrou que Brasil vem de uma crise econômica prolongada e que isso impactou a velocidade da modernização da indústria portuária. Porém, por outro lado, o crescimento da demanda de exportações do agronegócio tem exigido operações mais eficientes e seguras, o que torna essencial a adoção de tecnologias.
Em 2019 a NavalPort percebeu aumento, em relação ao ano anterior, nas consultas sobre as tecnologias da empresa, principalmente para plataforma móvel de atracação. Já para o segundo semestre de 2020, será entregue a implementação de um Sistema de Monitoramento de Atracações no Porto de Suape (PE). Esse sistema vai auxiliar as atracações nos berços de granel líquido operados pela Transpetro. Além disso, a NavalPort está negociando a instalação de um sistema semelhante em um porto fluvial no estado do Amazonas.
A empresa também está investindo no aprimoramento contínuo da sua plataforma de gestão aquaviária e segurança de manobras de navios (SESOP) e de inteligência situacional. A SESOP coordena o planejamento das chegadas dos navios, dando previsibilidade à operação e disciplinando todo o fluxo de comunicação entre os players. A plataforma acompanha também as embarcações desde o fundeio, registrando e processando dados de navegação e atracação e permitindo, assim, que o gestor de operações aperfeiçoe seu processo. Segundo Santiago, isso gera, inicialmente, consciência situacional de toda a operação aumentando os ganhos em eficiência de forma sinergética.
Para ele, daqui a três anos o país vai vivenciar um boom no crescimento da inovação portuária. Entre as razões para isso, segundo ele, está a presença do agrobusiness nos diversos modais; a redução da presença do Estado na gestão dos portos; o aumento do interesse das startups em produzir inovação no setor e a necessidade de melhoria contínua nos índices de desenvolvimento sócio-ambiental no modal portuário.
No entanto, de acordo com ele, para alcançar um alto nível tecnológico o país ainda precisa enfrentar alguns desafios. O primeiro deles é mostrar ao gestor que o investimento em inovação se reverte em produtividade e segurança. Ele entende que ainda existe uma resistência natural à inovação no setor portuário, sendo este um segmento tradicional e cauteloso. Portanto, ele enfatiza a necessidade de que haja cuidado em conceber e ofertar sistemas de inovação que complementem e aperfeiçoem métodos e processos já estabelecidos há muitos anos nos portos.”

Trecho da reportagem “Estímulo à modernização” publicada em 11/08/30 pela revista Portos e Navios (https://www.portosenavios.com.br/noticias/portos-e-logistica/estimulo-a-modernizacao).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *